quinta-feira, outubro 14

 a porta
mansa
de leve
dança
ao som
do vento
que segue
lento
ninguém
se importa
ou não repara
é só dança
de porta:
vida rara!

5 comentários:

Carol Freitas disse...

Só os olhares atentos se importam...

Lindo, Vanessa!

julie. disse...

Lindo! Que bom voltar a ler este blog! :) Parece que sentei à janela para observar a paisagem e um passarinho pousou e cantou o dia!

Roberto Borati disse...

bom, muito! é de um ritmo bom esse seu escrito!

continue.

doca disse...

enxuto como uma pêra

caio disse...

belo poema zen