quarta-feira, março 24

ando pela casa
atravesso de um lado
para o outro
procurando
não está na sala
nem na cozinha
onde pode estar
algum gato levou
ou está escondido
não adianta:
a esperança quando quer
fica toda invisível

12 comentários:

Luanne Araujo disse...

ah, mas se sente a presença, né ;)

vanessacamposrocha disse...

Luanne:

sem ela, não há vida,
não há janela!

Í.ta** disse...

lindíssimo! adorei.

encontrei-a no blog da camila, "carregando água na peneira".

interessei-me pelo teu livro. vou escrever e-mail.

parabéns pelo blog tão bem feito.

vanessacamposrocha disse...

obrigada Í.ta!!
fico toda cheia de contenteza!

doca disse...

próxima estação: esperança

renatinha disse...

É... vezenquando os travessos gatos saem brincando com a esperança, que fica meio perdida por aí. Mas eles voltam orgulhosos e pousam bem próxomas de nossos pés!

Camila F. disse...

Lindo, Vanessa!Mas tomara que vc sempre a encontre :)Beijo!

vanessacamposrocha disse...

doca, renatinha e camila, uma coisa não contei: eu adoro essa bricandeira de esconde-escode!

Batom e poesias disse...

Uma turminha que se esconde: esperança, sonho, alegria.
Brincam com a gente
Mas de repente
quando menos se espera
Voltam a saltitar por todos os cômodos da casa.

Carol Freitas disse...

Tão doce. Tão singelo. Tão lindo.

=)

João Lima disse...

Vanessa, vim agradecer a gentilza da sua visita e adorei os seus versos! Tão leves e delicados. Li alguns poemas... ah e gostei do verso-título do blog, muito bom, é seu? Parabéns pelo espaço e até a próxima!!!

P.S.: li sua crônica em flor no vale! muito charmosa...

vanessacamposrocha disse...

obrigada Rossana, Carol e João Lima, por me acompanharem aqui e lá!